E quanto mais eu tento não me afogar dentro dessas ideias que me fazem chorar, é ai que me vejo sozinha.
 Quantas vezes ao dia eu deixo de cuidar de minhas loucuras , pra fazer com que o resto do mundo não sinta o medo que está escondido?
Um dia alguém me fez essa mesma pergunta e eu achei que essa pessoa era louca... Eu me enganei, Porque hoje sei o que é viver anadando apenas na contra mão.
 Tudo é relativo, Tudo pode dar errado, mais sei que posso me acolher em seus dons de cuidar do meu coração.
Por que existe uma tal de felicidade que eu tenho vontade de experimentar ao seu lado quente e movedor de montanhas.
Sei lá se vai demorar! Sei lá se é eterno.
Sei que podemos fazer o que quizer olhando um nos olhos do outro... e  segurando suas mãos que eu sinto o que é realidade.
Talvez eu me cale, eu não quero jamais ter que magoar você.
Sabe aquilo que eu tava pensando , olhando pro nada, e você disse que daria qualquer coisa pra saber.

é que acordar apenas algumas noites ao seu lado já não é mais suficiente.

Eu estarei aqui até o fim.

Quando eu olhei pela janela do carro. Eu ve que você tinha me esperado a semana inteira;
 E quando você me abraçou eu simplismente chorei.
Tudo ficará bem.
E eu não terei que partir, nem dizer adeus outra vez.
Mais sei que nem tudo são rosas, que eu vou  gritar as vezes...
Mais sei também que se eu precisar me desculpar, eu terei seu perdão.
E eu serei quem cuidará de nós. Aqui. Agora.
E a cada dia eu me apaixono mais por você, nunca duvide. Nunca.
Sou seu mar estrelado. Sua ternura. Eu estarei aqui se o mundo acabar. E você estará em mim.
Feche seus olhos, e sinta que eu lutei contra seus medos. Pra proteger você... Sequei minhas lágrimas, e agora encaro os dias. Apenas um pouco de tempo, foi o que precisamos, pra sentir como isso pode nos libertar. Libertar do medo de amar.

Andado em direção ao velho album de fotos...
Sentindo sua mão tocar meu rosto , depois de um dia inteiro andando por ai. É quando eu volto pra casa farta, de ser constantemente obrigada  a  me despedir de você...
É quando eu sinto medo de apagar todas as  luzes, por que eu sei que quando eu sentir medo... você não vai estar aqui pra conversar sobre tudo.
 É como água salgada queimando os olhos, É como fogo nos dedos... É tudo que me sobresalta antes de viver.
É uma semana inteira que passa devagar... lentamente me cortando. É só questão de tempo até  tudo se encaixar.
Sei que posso esperar, Só não posso me acomodar.
Sentada em um bar estilo meio faroeste, com cheiro de sangue.
Delirando sobre o que eu farei depois que o último gole descer queimando sobre minha garganta.
Chorando... E que merda...eu sei exatamente o que estarei fazendo...
Vou tirar o capuz vermelho dos cabelos, e gritar seu nome no meio da floresta...
e gritar e gritar...Até as veias sairem do meu corpo, E eu deixar de existir.
Adormecer...
No meio do nada e cheia de tudo... Abrir os olhos com dificuldade... Respirar como se fosse a última fez.
Presa dentro da caixa de pandora... No meio da floresta. Lugar meu. Onde me sinto perfeitamente encaixada como em um bosque triste. Que chove só de vez em quando.
Você é mais ou menos meu par perfeito... Meu grande divisor de sentimentos.
Meu escultor... O que faz de mim uma obra de arte, de valor incalculável.


A última guerra.

Querido.
 Peguei suas velhas cartas essa noite. E estive sentindo sua falta no decorrer da semana.
Enxuguei as lágrimas, fiz um chocolate quente  do jeito que você gosta, Rolei de um lado pro outro na cama, o sono não apareceu.
Levantei e abri a primeira gaveta velha, Aquela que você disse que arrumaria assim que arrumasse  tempo. Peguei  sua camisa, de domingo,  a branca, eu a vesti. Eu te imaginei ali outra vez, te imaginei tocando minha barriga, como você sempre fez.


Eu sei. Eu sei.
Eu prometi.  Prometi que ficaria bem. Prometi que não ia me importar.
Mais você... Também prometeu. -Disse que nunca mais ia me fazer sofrer de novo. 
E quando você partiu, deixou a guerra comigo.
Imagino a dor que você tem sentindo nesse lugar horrivel.
imagino o frio...


Sua mãe apareceu na quarta, -disse que você  vai voltar, e que tudo logo vai acabar.
E mesmo com toda aquela confiança, ve em seus olhos que ela sente o mesmo medo que eu sinto.
Eu tô perdida. Quando isso vai acabar? 
A guerra não é nossa meu bem... a guerra não vale nossas vidas.
Estou te esperando anciosamente.


Eu te amo. Pra sempre.






                                         


15, de dezembro, de 1997 


Querida Ana.


Como eu queria poder estar ai e compartilhar com você desse seu chocolate maravilhoso.
Por favor, não chores mais... Tudo vai passar. Por favor não sinta medo eu estou com você  todos os dias.
Tenho tentando não imaginar seu sofrimento, mesmo sendo impossivel.
Há meses que não sei o que é paz nesse lugar.  E quando tudo acabar, vou estar em casa, me aquecendo no seus cabelos ruivos e cacheados... e prometo que dessa vez arrumo nossa gaveta.
Desculpe não estar ai pra ver sua barriga crescer... E te fazer durmir.
Desculpe.


Não é nossa culpa meu amor. A guerra logo vai acabar.


Eu te amo. Em qualquer circunstância.




Tecnologia do Blogger.